Recomende este post!

Fechar

Enviar


Regras do Blog Edson Sombra

1 – Para comentar no Blog do Edson Sombra você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no Blog do Edson Sombra você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do Blog Edson Sombra os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No Blog do Edson Sombra, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 27 de junho de 2017

cartao-brb

Como desmantelar uma sociedade

Como desmantelar uma sociedade
A sociedade civil e a sociedade política se influenciam mutuamente, e o governo é o resultado das ideias dominantes
Por Miguel Lucena, Diário do Poder Foto: Reprodução/Divulgação - 27/06/2017 - 13:27:14

Com a estagnação dos velhos comunistas, uma nova esquerda surgiu no mundo, influenciada pelas ideias do italiano Antonio Gramsci, falecido em 1937, aos 46 anos. Diferentemente de Karl Marx, para quem todo o resto era decorrente da estrutura econômica dominante, o sardenho de Ales conferiu destaque à superestrutura e à hegemonia cultural, conquistada pela transmissão de ideias em todos os espaços de poder, especialmente nas escolas e nos meios de comunicação.


O Estado e seus líderes resultam do somatório de forças em disputa. A sociedade civil e a sociedade política se influenciam mutuamente, e o governo é o resultado das ideias dominantes. Segundo Mochcovitch, citado por Marcele Frossard (em www.infoescola.com), o conceito de hegemonia, finalmente, representa talvez a contribuição mais importante de Gramsci à teoria marxista. Hegemonia é o conjunto das funções de domínio e direção exercido por uma classe social dominante, no decurso de um período, sobre outra classe social e até sobre o conjunto das classes da sociedade. A hegemonia é composta de duas funções: função de domínio e função de direção intelectual e moral, ou função própria de hegemonia (MOCHCOVITCH, 1992, p. 20-21 apud DANTAS, 2015, p. 17).


O fracasso da luta armada, e, por conseguinte, da tomada do poder pela força, despertou na nova esquerda o valor dos ensinamentos de Gramsci. Primeiro, com o PCB, que, aferrado a esquemas antigos, não conseguiu arregimentar forças e confundiu a hegemonia cultural com a ocupação de espaços na máquina estatal, tanto que na Bahia era famosa a frase de Antonio Carlos Magalhães de que ele preferia trabalhar com os comunistas, por serem dedicados.


Quem mais soube aplicar a teoria gramsciana foi o PT. Oriundo da ala socialista da Igreja Católica, representada pelos adeptos da Teologia da Libertação, de grupos trotskistas e operários, o Partido dos Trabalhadores começou a espalhar sua influência a partir dos sindicatos e em poucos anos tornou-se capilar na chamada sociedade civil organizada.


Partido inicialmente voltado para as lutas dos trabalhadores, vislumbrou a tomada do poder por meio da formação ideológica de gerações nas escolas, campos e construções, passando a empunhar bandeiras que pusessem abaixo tudo o que fosse de tradição civilizatória.


O resultado está aí: qualquer moleque se acha com autoridade para desbancar o conhecimento acumulado há milênios, os filhos não reconhecem a autoridade paterna nem dos professores, enquanto a sociedade, atordoada e sem saber o que fazer, chamam o delegado para fazer o papel do pai e da mãe.


Muitos pais, que cresceram na irresponsabilidade, fazem os filhos e vão embora; muitas mães, da mesma forma, têm filhos por diversão, e os entregam aos cuidados dos avós, quando não os largam por aí ou os negligenciam para curtir baladas, porque são mulheres e têm todo o direito de perseguir a felicidade individual.


Uma parcela significativa da população perdeu os freios morais do medo, da vergonha e da culpa, tornando-se um segmento de desembestados, e nos levará ao começo do fim, sem nada de bom para pôr no lugar, se as pessoas de bom senso não reagirem a tempo.


Já vivemos um tempo em que o errado é o certo e o certo é o errado. E quem sempre procurou andar na linha vai ter de pedir permissão ao bandido para abrir a boca.

 

Miguel Lucena é jornalista e delegado da Polícia Civil do DF.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo: