Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 12 de dezembro de 2017

Após atacar promotor do DF. Gilmar é convidado para conhecer as instalações do MP no Paranoá

Após atacar promotor do DF. Gilmar é convidado para conhecer as instalações do MP no Paranoá
Em julgamento no STF, Gilmar chegou a levantar suspeitas sobre o Gaeco do DF e citou o promotor Wilton Queiroz
Por Juliana Cavalcante/Daniel Ferreira/Metrópoles - 12/08/2017 - 11:49:44

Gilmar Mendes ataca promotor do DF e provoca ira no Ministério Público

 

A relação do ministro Gilmar Mendes com integrantes do Ministério Público e de associações que representam os procuradores e promotores azedou de vez. Na terça-feira (8/8), o togado do Supremo Tribunal Federal (STF) deu declarações polêmicas durante uma sessão de julgamento na Corte sobre a atuação do órgão de fiscalização e controle com relação a investigações. Ele atacou os Grupos de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaecos), que auxiliam o MP em investigações, e levantou suspeitas sobre a unidade brasiliense, que acusou de realizar escutas telefônicas ilegais, a mando da Procuradoria-Geral da República (PGR).

 

Durante sua fala, o ministro citou o nome do promotor Wilton Queiroz, apontado como responsável por comandar uma suposta central de escutas ilegal do Ministério Público, que funcionaria na região do Paranoá: “Falam até do nome de um ex-delegado, hoje promotor, que atua no gabinete do procurador-geral, chamado Wilton Queiroz, que faria esse papel”.

 

Mendes foi além. “Isto virou um pouco terra de ninguém. Não obstante, o que se ouve? Que hoje é um festival de investigação sem sequer controle judicial. Fala-se que na Procuradoria-Geral hoje haveria 2,8 mil PICs, chamado procedimento de investigação criminal, sem nenhuma figura de controle”, disse.

As declarações motivaram a divulgação de pelo menos quatro notas de protesto contra o ministro. O procurador-geral de Justiça do DF, Leonardo Bessa, afirmou, em uma delas, que a atuação do órgão no combate ao crime organizado, à corrupção e a quaisquer outras formas de violação da lei tem sido realizada “de forma responsável e dentro dos limites de atribuição deste Ministério Público”.

 

Bessa ainda saiu em defesa do promotor de Justiça Wilton Queiroz, destacando “seu histórico de bons serviços” e “qualidades pessoais e profissionais”, que teriam ocasionado o convite para que ele integrasse a equipe da Operação Lava Jato.

 

O MPDFT esclarece que o Gaeco deste Ministério Público, à semelhança das demais instituições ministeriais, segue os parâmetros estabelecidos na legislação e nas regulamentações internas do Ministério Público. Também está submetido ao controle de órgãos internos, do Conselho Nacional do Ministério Público e do próprio Poder Judiciário"

Leonardo Bessa, procurador-geral do DF

 

Convite ao ministro

O promotor de Justiça Alexandre Sales de Paula e Souza, coordenador do Centro de Produção, Análise, Difusão e Segurança da Informação, também esclareceu, em outra nota, que as interceptações telefônicas são realizadas por meio das operadoras “e sempre mediante autorização judicial, seguindo-se estritamente os ditames legais”.

 

“Portanto, qualquer insinuação de que seriam realizadas “escutas numa central ilegal no Paranoá” é absurda, inverídica e atenta contra a missão constitucional do Ministério Público de defesa da ordem jurídica e do regime democrático. Finalmente, este CI-LAB/PGJ convida Sua Excelência para conhecer as instalações físicas desta unidade localizada no Paranoá/DF ou em qualquer outra dependência do MPDFT”, declarou.

 

O Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) e o Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC) também formularam nota de repúdio. Classificaram a fala de Gilmar como “inapropriada” e disseram que a imputação genérica de suposta atuação ilícita dos Gaecos “consubstancia grave ataque ao importante papel desempenhado pelo Ministério Público”.

 

Também se manifestou a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), representante de 1.300 membros do Ministério Público Federal. A entidade destacou que “os procedimentos investigatórios criminais mais agudos, todos aqueles que demandam medidas constritivas, ou que se transformam em ações penais, são controlados e verificados, sempre, pelo Poder Judiciário”.

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato

Mais notícias acesse

ContextoExato