Recomende este post!

Fechar

Enviar


Regras do Blog Edson Sombra

1 – Para comentar no Blog do Edson Sombra você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no Blog do Edson Sombra você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do Blog Edson Sombra os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No Blog do Edson Sombra, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 25 de março de 2017

cartao-brb

Justiça derruba 77% de leis aprovadas pela CLDF e questionadas pelo MP

Justiça derruba 77% de leis aprovadas pela CLDF e questionadas pelo MP
Para o procurador-geral do DF, isso representa um gasto desnecessário de recursos físicos e humanos, o que não é bom para a sociedade.
Por Kelly Almeida e Larissa Rodrigues/Giovanna Bembom/Metrópoles - 14/03/2017 - 19:18:24

Nos últimos sete anos, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmaram a inconstitucionalidade de 77% das leis aprovadas pela Câmara Legislativa questionadas pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). A ilegalidade em cerca de 90% delas foi por vício de iniciativa, ou seja, não poderiam ser propostas pelos parlamentares. O percentual mostra que mesmo sabendo que seus projetos contrariam a legislação, os distritais brasilienses insistem em perder tempo e dinheiro público ao propô-los e aprová-los.

 

De acordo com o advogado especialista Antônio Rodrigo Machado, é papel da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) analisar a constitucionalidade das leis propostas pelos distritais. E, caso a comissão viesse cumprindo essa tarefa, não haveria necessidade de intervenção do Ministério Público.

 

Se a lei é sancionada e não tem validade, há desperdício de dinheiro público com materiais e com os salários dos servidores, dos deputados e do próprio MPDFT, que poderia estar trabalhando em outras ações"

Antônio Rodrigo Machado, advogado

.

O procurador-geral de Justiça do Distrito Federal, Leonardo Bessa, concorda. “É importante agir de forma preventiva. Aprovar uma lei que mais tarde é questionada pelo MPDFT e declarada inconstitucional representa um gasto desnecessário de recursos físicos e humanos, o que não é bom para a sociedade”, afirmou.

 

Casa política

O Metrópoles conversou com o deputado Reginaldo Veras e o questionou sobre o porquê de tantas leis distritais, apesar de passarem pelo crivo da CCJ, serem consideradas inconstitucionais pela Justiça. “A nossa Casa é uma Casa política, e não jurídica. E, muitas vezes, os parlamentares, mesmo tendo dúvida da questão da constitucionalidade, preferem levar o projeto de lei adiante para atender a sua base”, explicou o distrital.

 

No entanto, Veras disse que assumiu recentemente e que essa é uma posição “histórica” da CCJ. “O deputado, às vezes, fica chateado quando a gente barra algum projeto. Então, só votamos contra aquilo que a gente tem plena certeza da inconstitucionalidade e do mal que pode causar ao Estado e à sociedade”, completou.

 

Já o presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle, tentou relativizar os números do MPDFT. “O número seco de leis inconstitucionais é grande, mas e quantas outras foram aprovadas sem nenhum problema?”, ponderou. “Noventa por cento dessas leis inconstitucionais são de vício de origem, ou seja, quem deveria ter feito é o Executivo e não o Legislativo. Se cabe ao Executivo, é uma demanda da população, mas ele não fez. Como eu posso fazer para que ela, então, não seja inconstitucional? Isso que nós queremos saber do Ministério Público”, ressaltou Joe Valle.

 

Para evitar que os parlamentares continuem elaborando textos que possam ser questionados na Justiça, deputados e representantes do MPDFT se reuniram na semana passada para discutir soluções e medidas que aprimorem o controle da elaboração dos projetos.

 

Participaram do encontro Leonardo Bessa; o promotor e assessor de controle de constitucionalidade do MPDFT, Luciano Ávila; o presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT); e o presidente da CCJ da Câmara, deputado Reginaldo Veras (PDT).

  • MOISES - 16/03/2017

    Bom dia. E além do que foi posto nessa matéria, existe o interregno em que a lei permanece em vigor, o que seguramente prejudica muitas pessoas até que a mesma seja revogada. Diga-se de passagem, esse projeto de lei do Executivo para que se processe o abate teto nas empresas públicas. Todos sabem que o regime das estatais não estão submetidos ao abate teto, o que ensejará várias ações na justiça e, por consequência, despesas desnecessárias ao erário.

  • Sebastião Antonio - 15/03/2017

    Na verdade esta Câmara Legislativa não serve pra nada, só pra gastar nosso dinheiro. Já deveria ter acabado há muito tempo...

  • Alex - 15/03/2017

    Façam um favor pra população de Brasília, fechem esta des-gra-ça.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo: