Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 23 de setembro de 2017

MP denuncia servidores por cobrar propina do SindSaúde

MP denuncia servidores por cobrar propina do SindSaúde
Consultoria fictícia
Por Ana Maria Campos-Correio Braziliense/Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 20/04/2017 - 06:56:00

Os servidores gravados pela presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde (Sindsaúde), Marli Rodrigues, em suposta tentativa de extorsão, vão responder na Justiça pelos crimes de concussão (exigir vantagem em função do cargo) e lavagem de dinheiro. O caso foi investigado na Operação Delfos, em agosto do ano passado, quando houve buscas e apreensões no anexo e no Palácio do Buriti. Em ação ajuizada ontem, o Ministério Público do DF denunciou os servidores da Secretaria de Planejamento Edvaldo Simplício da Silva e Christian Michael Popov e o ex-ouvidor-geral da vice-governadoria Valdecir Marques de Medeiros por cobrança de propina para facilitar a tramitação de um processo no GDF de interesse do SindSaúde. 

 

Consultoria fictícia

 

O suborno, supostamente exigido pelos servidores do GDF, era de R$ 214 mil, com uma entrada de R$ 50 mil e o restante distribuído em parcelas. Segundo a denúncia do MP, tudo seria pago por meio de uma consultoria fictícia realizada pela empresa Netsaron Corretora de Seguros Ltda., de propriedade de Beatriz Casagrande Simplício da Silva, também denunciada na ação. Ela é filha de Edvaldo Simplício, servidor de carreira do GDF. O contrato seria a forma de lavar o dinheiro decorrente da corrupção. Na investigação, o MP descobriu, por meio de quebra de sigilo bancário, a relação da empresa com outros integrantes do grupo. Na análise de e-mails dos servidores, os investigadores verificaram cobranças atípicas feitas ao SindSaúde de documentos para que a entidade pudesse receber a verba sindical descontada na folha de pagamentos de servidores filiados ao sindicato. O episódio ocorreu em novembro de 2015.

 

Representação ao MP

 

A ação, que tramita na 3ª Vara Criminal de Brasília, é assinada pelos promotores Luis Henrique Ishihara (foto), da 4ª Promotoria de Justiça de Defesa de Saúde (Prosus), e Raquel Tiveron, da 5ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep). O episódio passou a ser investigado investigado depois que a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, fez a denúncia ao Ministério Público do DF. A Delegacia de Combate aos Crimes contra a Administração Pública (Decap) também entrou no caso.

 

Intermediário

 

A intermediação do negócio teria sido promovida pelo então ouvidor-geral da vice-governadoria, Valdecir Marques de Medeiros, que era funcionário licenciado do SindSaúde. Foi na casa dele, em Águas Claras, que a presidente do sindicato, Marli Rodrigues, gravou uma conversa com o vice-governador Renato Santana, sobre denúncias na área de saúde. O episódio virou tema da CPI da Saúde e azedou as relações do vice com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB).

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo: