Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 26 de setembro de 2017

O que se vê nem sempre é. Um esquema que causou um prejuízo de R$ 150 milhões aos cofres do DF

O que se vê nem sempre é. Um esquema que causou um prejuízo de R$ 150 milhões aos cofres do DF
O esquema durou anos
Por Raymundo Duarte - 21/12/2016 - 16:32:36

Há alguns anos, uma grupo de auditores fiscais e contadores do Distrito Federal foi descoberto e preso por uma operação desencadeada pela Polícia Civil, capitaneada pelo Departamento de Atividades Especiais. À frente, um delegado que ficou famoso e depois virou consultor de esquemas políticos, entre os quais aquele defenestrado pela Operação Caixa de Pandora.

 

O líder do bando, especializado em crimes tributários, foi condenado a mais de 50 anos de reclusão.

 

Eles aplicavam golpes durante auditagens em empresas que estavam em situação irregular com o Fisco.

 

O esquema durou anos e causou um prejuízo de R$ 150 milhões aos cofres do Distrito Federal.

 

Essa é a parte visível da história, com destaque para o brilhante trabalho da Polícia Civil do DF, considerada a mais preparada das PCs do Brasil em termos de investigação e aparato tecnológico.

 

O que ninguém sabe, talvez nem os investigadores da ponta, é que o bando foi desbaratado porque os operadores cresceram o olho no dinheiro sujo que estava sendo movimentado e começaram a podar a parte que cabia ao chefe do esquema.

 

Sentindo-se lesado, o chefe fez escapulir uma informação “sigilosa” para os órgãos fiscalizadores e esse documento foi parar nas mãos do delegado de combate ao crime organizado, cujo trabalho foi juntar as peças do quebra-cabeças e chegar aos executores e beneficiários dos crimes tributários. Menos no chefe maior.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo: