Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 21 de setembro de 2017

Odebrecht assina termo preliminar de colaboração na Colômbia

Odebrecht assina termo preliminar de colaboração na Colômbia
Intenção da justiça do país é que a empresa revele atos de corrupção que cometeu na Colômbia envolvendo obras e agentes públicos, e que também pague uma multa
Por Noticias ao Minuto Foto: Divulgação/Reprodução - 11/01/2017 - 10:22:07

A Odebrecht assinou no início desta semana um termo de colaboração preliminar com as autoridades da Colômbia.


A intenção da justiça do país é que a empresa revele atos de corrupção que cometeu na Colômbia envolvendo obras e agentes públicos, e que também pague uma multa. Dessa maneira, o grupo baiano continuaria com permissão para atuar no país.

 

Na quinta-feira (5), a Odebrecht do Peru anunciou que firmou um acordo preliminar com os Ministério Público daquele país no qual se comprometeu a pagar 30 milhões de soles peruanos, cerca de R$ 28 milhões no câmbio atual.

 

Segundo investigadores peruanos, o termo ainda não incluiu conteúdos que serão revelados pela empresa.

 

De acordo com o DOJ (Departamento de Justiça) dos Estados Unidos, a Odebrecht gerou mais de US$ 11 milhões em propinas na Colômbia entre 2009 e 2014 com o objetivo de conseguir assinar contratos com o governo federal.

 

Com esses pagamentos, a Odebrecht conseguiu obter benefícios superiores a US$ 50 milhões.

 

As informações fazem parte do acordo de leniência que a empreiteira assinou com os americanos em dezembro, juntamente com os procuradores brasileiros e suíços.

 

Em um documento, o DOJ diz que, entre 2009 e 2010, a Odebrecht pagou uma propina no valor de US$ 6,5 milhões a um agente do governo em troca de auxílio para conquistar um contrato público.

 

O pagamento foi operacionalizado por meio do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, apontado pelos investigadores da Lava Jato como "departamento da propina".

 

A Odebrecht atua na Colômbia desde 1992. Segundo o site da empresa, ela foi responsável por executar projetos como a ferrovia La Loma Santa Marta, a hidrelétrica La Miel, além de plantas de tratamento de águas e a Central Termoeléctrica Termoemcali.

 

Hoje, o grupo baiano atua na construção de setores da Rota do Sol, que unirá Colômbia e Caribe, conectando o interior do país por via terrestre e fluvial.

 

OUTROS ACORDOS

O acordo na Colômbia faz parte de uma série de tratativas que a Odebrecht vem negociando em países do exterior onde atuou, principalmente na América Latina.A ideia é que com esses acordos a empresa não seja proibida de continuar trabalhando onde tem obras em andamento.

 

Em dezembro, o governo peruano decidiu proibir a participação da Odebrecht em obras públicas. Na terça (3), o Equador também determinou que órgão públicos não contratem a empreiteira. E o Panamá impediu o grupo baiano de participar de licitações. Com informações da Folhapress.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo: