Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 19 de novembro de 2017

Orçamento da Câmara perde R$ 62,4 milhões após vetos de Rollemberg

Orçamento da Câmara perde R$ 62,4 milhões após vetos de Rollemberg
Tesoura do socialista afeta gastos com viagens (diárias e passagens), além de despesas com consultoria, água, energia e terceirizados
Por Metrópoles Foto: Reprodução/Divulgação/Facebook - 10/01/2017 - 15:25:48

Em uma disputa com a Câmara Legislativa desde que os deputados distritais decidiram enfrentá-lo para suspender o reajuste de até 25% nas tarifas de ônibus e metrô, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) vetou R$ 62,4 milhões do orçamento da Casa para 2017. Não há registros de que isso tenha ocorrido em outras legislaturas.

 

A tesoura do socialista esquenta a briga entre os poderes e afeta, por exemplo, os gastos previstos com viagens (diárias e passagens), além das despesas com consultoria e serviços terceirizados. O Palácio do Buriti já havia sinalizado aos parlamentares que seriam feitos cortes, mas eles foram além do combinado.


O vice-presidente da Câmara, Wellington Luiz (PMDB), afirma que o corte prejudica o funcionamento da Casa de maneira excessiva. “Temos que derrubar o veto do orçamento”, disse.


Para o parlamentar, a atitude do chefe do Executivo é uma retaliação à decisão dos distritais de convocar uma sessão extraordinária, nesta quinta-feira (12/1), para sustar o aumento das passagens por decreto legislativo. “O governador não consegue fazer política de forma madura. Toma uma decisão como esta logo após marcamos a votação. Mas a Câmara não pode se ajoelhar”, disparou.

 

O orçamento da Casa para 2017 está estimado em cerca de R$ 550 milhões, o que que corresponde a 1,5% dos recursos totais previstos para o GDF. Ao todo, foram 10 vetos. Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, entre os R$ 62.4 milhões vetados estão R$ 27,1 milhões em serviços (água, luz, telefone e internet), R$ 7,5 milhões em gastos com equipamentos, R$ 1,2 milhão em consultorias, R$ 550 mil para passagens e R$ 200 mil para diárias.

 

Segundo os distritais, há um compromisso do GDF de recompor os recursos vetados em fevereiro. O assunto será tema de uma reunião entre técnicos da Câmara e da Casa Civil.

 

O líder do governo na Câmara, deputado Rodrigo Delmasso (Podemos), afirmou que o Executivo devolverá o montante em fevereiro, no início dos trabalhos legislativos. “O veto foi uma decisão técnica. O compromisso é repor o orçamento na primeira sessão de fevereiro”, garantiu.

 

Procurado, o Palácio do Buriti ainda não se manifestou sobre os vetos.

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato

Mais notícias acesse

ContextoExato