Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 23 de novembro de 2017

Rollemberg pede apoio da CGU para continuidade de Corumbá 4 na parte de Goiás

Rollemberg pede apoio da CGU para continuidade de Corumbá 4 na parte de Goiás
Novo sistema para abastecer o DF e cidades do entorno é feito em parceria pelas companhias de saneamento das duas unidades da Federação. Sob investigação, intervenções de responsabilidade da estatal goiana foram paralisadas
Por Amanda Martimon, da Agência Brasília Foto: Reprodução/Agência Brasília - 11/01/2017 - 19:53:10

Para dar celeridade às obras das estações de captação e de tratamento de água do Sistema Produtor Corumbá 4, o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, e o vice de Goiás, José Eliton, pediram apoio do ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União, Torquato Lorena Jardim, na tarde desta quarta-feira (11), na sede da pasta. Eles buscam uma solução para que os trabalhos — que avançam no lado do DF — sejam retomados em Goiás.

 

A construção do novo sistema é feita em parceria entre a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) e a Saneamento de Goiás (Saneago). Porém, as intervenções sob responsabilidade do estado vizinho estão interrompidas após recomendação do Ministério Público Federal (MPF) na Operação Decantação, que investiga ilícitos em contratos e licitações da estatal goiana.

 

“Fomos pedir o apoio da Controladoria junto ao MPF para que as obras da elevatória de Corumbá [que bombeará a água], de responsabilidade de Goiás, possam ser retomadas em função da necessidade dessa obra para o abastecimento em Brasília e na região do Entorno Sul”, explicou Rollemberg. O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União participou da operação, que é conjunta com o MPF e a Polícia Federal, e por isso foi acionada pelos governadores.


O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, destacou, após a reunião, que as obras no DF avançam normalmente. “Nossa expectativa é entrar em operação no segundo semestre do ano que vem.” De acordo com a estatal, do que compete à área distrital, estão finalizadas 70% das obras na estação de tratamento e 68% da adutora. O presidente da Saneago, José Carlos Siqueira, também participou da reunião. No último balanço da empresa, as obras da estação de captação estavam em 60%, e as da adutora, em 90%.

 

O reservatório de Corumbá 4 deverá abastecer, em 2018, 1,3 milhão de pessoas em residências do Distrito Federal e de Goiás. Ele terá capacidade para tratar 2,8 metros cúbicos de água por segundo. Para o DF, a construção custa R$ 275 milhões e conta com financiamento da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil.

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato