Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 23 de novembro de 2017

STJ deixa decisão sobre votação da previdência no DF para o STF

STJ deixa decisão sobre votação da previdência no DF para o STF
A ministra Laurita Vaz decidiu sobrestar pedido feito pela CLDF por já existir ação similar na Suprema Corte
Por Manoela Alcântara/Metrópoles/Foto: Gustavo Lima/STJ - 13/09/2017 - 07:12:46

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) não vai julgar o pedido da Câmara Legislativa, que tenta liberar a votação do Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 122/2017 — a reforma da previdência proposta pelo GDF. A ministra Laurita Vaz decidiu aguardar até que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida sobre ação similar que tramita na Corte — esta última protocolada pelo Governo do DF. A decisão da ministra só será publicada nesta quarta-feira (13/9).

 

A ação da Câmara foi protocolada no STJ no dia 9. O GDF ingressou no STF no dia seguinte. Assim, a ministra entendeu que não há necessidade de se manifestar sobre o mesmo tema. No STF, a ação está com a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que não tem prazo para se manifestar.

 

Tanto a Procuradoria da CLDF quanto o GDF discordam da decisão liminar do desembargador Waldir Leôncio Júnior, do Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). Ele acatou mandado de segurança impetrado pelos deputados Wasny de Roure e Ricardo Vale (ambos do PT) e, em 5 de setembro, determinou a suspensão da votação do PLC nº 122/2017. 

 

O desembargador considerou que haveria “perigo de dano irreparável” caso o PLC nº 122/2017 fosse votado na ocasião, “uma vez que houve manifesta transgressão às normas que disciplinam o processo legislativo”. Segundo a liminar, não foram cumpridos os prazos que garantem aos deputados a apresentação de emendas ao projeto.

 

O primeiro recurso da CLDF não foi aceito pelo desembargador Mario Machado. Ele negou o pedido, no dia 8. Em seguida, as duas ações foram impetradas em Cortes diferentes.

 

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato