Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 23 de novembro de 2017

Vinculado a delações, Juliano Costa Couto pede investigação sobre o caso

Vinculado a delações, Juliano Costa Couto pede investigação sobre o caso
Juliano Costa afirma que apenas realizou a indicação a clientes do frigorífico devido à experiência de Willer.
Por Helena Mader-Ana Viriato/CB.Poder - 19/05/2017 - 04:17:08

Com o nome mencionado após as delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários da JBS, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF), Juliano Costa Couto, pediu ao Conselho da Ordem, nesta quinta-feira (18/5), a investigação sobre os fatos relatados pelos empresários ao Ministério Público Federal (MPF), além da emissão de uma certidão que ateste não ter atuado nos autos do processo da Operação Greenfield e da inexistência de procuração, relativa à Eldorado, em seu nome.

 

Juliano Costa afirma que apenas realizou a indicação a clientes do frigorífico devido à experiência de Willer, “prática comum no segmento advocatício”. “Hoje, pela manhã, meu nome apareceu na imprensa como um dos supostos deletados no depoimento da JBS. Isso não corresponde à verdade. A decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), não menciona isso. O que fiz foi somente a indicação de um profissional que atuou posteriormente na causa. Por isso, estou solicitando ao Conselho Federal da OAB a instauração de um processo para apuração desses fatos na íntegra”, pontuou.

 

Segundo os depoimentos, Juliano Costa Couto teria indicado a pessoas ligadas à JBS o advogado Willer Tomaz, preso na manhã desta quinta-feira pela suposta cooptação do procurador Ângelo Goulart Villela. O representante do Ministério Público repassaria informações privilegiadas da Operação Greenfield aos empresários.

 

A Greenfield investiga uma série de aplicações monetárias, supostamente irregulares, realizadas por fundos de investimento privados em conexão com fundos de pensão de servidores públicos. Entre as empresas sob suspeita está a Eldorado, controlada pela JBS.

 

Documentação

 

Horas após o presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, alegar não ter qualquer tipo de relação com a JBS, na manhã desta quinta-feira, a Revista Veja publicou matéria embasada por um documento redigido pela Eldorado Brasil Celulose, no âmbito da Operação Greenfield. Trata-se de um pedido de revogação de instrumento de mandato — procuração dada ao advogado para que ele possa ter legitimidade na petição inicial ou processo. O ofício retiraria poderes de Willer Tomaz e Juliano Costa.

 

“A empresa redigiu o documento à minha revelia. Volto a dizer que não tenho ligações com a JBS, fato que será comprovado com a aprofundação das investigações e com a emissão dos documentos requeridos ao MPF”, defendeu-se o presidente da OAB-DF.

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato