Recomende este post!

Fechar

Enviar


1 – Para comentar no portal ContextoExato você poderá informar, além do seu nome completo, um apelido que poderá usar para escrever comentários.

2 – Sempre que comentar no portal ContextoExato você poderá optar por assinar seu comentário com seu nome completo ou com o apelido que escolheu. A publicação do seu e-mail junto com o seu comentário também é opcional.

3 – Serão eliminados do portal ContextoExato os comentários que:

      a - Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;

      b - Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;

      c - Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

      d - Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

      e – Configurem qualquer tipo de cyberbulling.

4 – A publicação de comentários será permanentemente bloqueada aos usuários que:

      a - Insistirem no envio de comentários com insultos, agressões, ofensas e baixarias;

Avisos:
 

1 – No porta ContextoExato, respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados. Pede-se, apenas, que o espaço dos comentários não sirva para bate-papo sobre assuntos de caráter pessoal ou estranhos ao blog;

2 – Ao postarem suas mensagens, os comentaristas autorizam o titular do blog a reproduzi-los em qualquer outro meio de comunicação, dando os créditos devidos ao autor;

3 – A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica.

  • Fechar Enviar

Brasil, Brasília - Distrito Federal, 23 de novembro de 2017

Willer Tomaz é investigado pela PGR por apresentar denúncia falsa contra Diaulas Ribeiro

Willer Tomaz é investigado pela PGR por apresentar denúncia falsa contra Diaulas Ribeiro
Preso por corromper procurador recebeu medalha por serviços prestados à Justiça
Por Ana Maria Campos-Marcelo Ferreira/CB/D.A Press/Zuleika de Souza/CB/D.A Press/Antonio Cunha/CB/D.A Press - 19/05/2017 - 08:10:04

O advogado brasiliense Willer Tomaz já vinha sendo investigado pela participação em outro episódio nebuloso. A Procuradoria-Geral da República apura por que o advogado apresentou uma denúncia considerada falsa contra o hoje desembargador Diaulas Ribeiro, do Tribunal de Justiça do DF. Em 2013, ele enviou uma representação à Corregedoria do Ministério Público do DF em que apontou que Diaulas, então promotor titular da Pro-Vida, teria cobrado propina para não denunciar o médico Haeckel Cabral Moraes. O cirurgião realizou a lipoescultura, em 2010, da jornalista Lanusse Martins Barbosa, morta na mesa de operação. A acusação foi investigada e submetida ao crivo do Conselho Superior do Ministério Público do DF. Depois de arquivada, acabou envolvendo um outro procurador de Justiça do DF, Eduardo Albuquerque, apontado como adversário de Diaulas. 

 

 

“Passeio despretensioso”

Na investigação da Corregedoria do MPDFT, o médico Haeckel Cabral Moraes negou ter recebido proposta do então promotor de Justiça Diaulas Ribeiro de um pagamento em troca de não denunciá-lo. Disse que tinha ódio de Diaulas, mas não poderia contar uma mentira. No depoimento, ele afirmou que um dia o procurador Eduardo Albuquerque o pegou para um passeio “despretensioso” e o levou para uma casa no Lago Sul, onde funciona o escritório de Willer Tomaz. Lá Albuquerque teria pedido que o cirurgião plástico contasse a história sobre um acordo, discutido em juízo, em que Diaulas cobrou uma indenização de R$ 300 mil para a família de Lanusse. 

 

IP na Argentina

O advogado Willer Tomaz protocolou a representação contra Diaulas Ribeiro com base em um e-mail que teria recebido com a denúncia da suposta extorsão ao médico Haeckel Cabral Moraes. A quebra do sigilo do e-mail, autorizada pela Justiça, apontou um IP de um computador da Argentina. Willer já era membro da OAB-DF.

 

Um “Flávio” na investigação

Há suspeitas de que a trama envolveu o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), inimigo de Diaulas Ribeiro desde que o então promotor de Justiça arquivou a acusação contra a médica que atuou no atendimento do filho dele. Marcelo Dino morreu em 2012, em decorrência de uma crise de asma. O pai sempre acreditou que houve erro médico. Em depoimento, Haeckel Cabral Moraes apontou que havia uma pessoa identificada como Flávio na reunião no escritório de Willer Tomaz. Mas disse não saber de quem se tratava. A Procuradoria-geral da República apura quem seria o “Flávio” citado.

 

Preso por corromper procurador recebeu medalha por serviços prestados à Justiça

 

Presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais da OAB-DF, o advogado Willer Tomaz, preso sob a acusação de corromper um procurador da República, recebeu do Tribunal de Justiça do DF no ano passado a medalha do Mérito Judiciário. Esteve entre as 90 pessoas homenageadas pelos serviços prestados à Justiça.

 

Silêncio

Depois de ser absolvido pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e pela Corregedoria do Ministério Público do DF, o desembargador Diaulas Ribeiro (foto) decidiu não falar mais sobre o episódio. Ele se recusa a comentar o caso.

 

Mansão da República de Ribeirão hoje é sede de escritório de advogado investigado na Lava-Jato

 

O escritório do advogado Willer Tomaz, preso ontem na Operação Patmos, funciona na mansão usada, no primeiro mandato de Lula, para reuniões de lobby e festas com garotas de programa pela chamada “República de Ribeirão Preto”. Ex-prefeito da cidade, o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, trouxe para Brasília parte de sua equipe da administração no município paulista. A casa luxuosa, que funciona numa ponta de picolé, na QI 1 do Lago Sul, só mudou de cor. O verde foi trocado por um tom bege mais discreto.

Compartilhe:
Compartilhe!

0

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:

Mais notícias acesse

ContextoExato